Porque voce deve fazer da eletroterapia uma verdadeira aliada

Tempo de leitura: 8 minutos

Mesmo com tanta evolução tecnológica, ainda existe fisioterapeuta que tem medo de usar aparelhos de Eletroterapia e o pior é que acaba passando essa insegurança para o paciente.

Acontece que a eletroterapia é uma das ferramentas utilizadas no ramo da beleza, com diversas atuações. Portanto, não dá para trabalhar sem essa tecnologia!

E, quando bem empregada, a Eletroterapia oferece um recurso fantástico dentro dos procedimentos estéticos.

Mas, mesmo cientes de todas as possibilidades e benefícios que a Eletroterapia oferece, percebo que muitos profissionais se sentem inseguros na utilização de alguns equipamentos e até mesmo com dúvidas sobre qual o momento adequado para se utilizar essa ferramenta.

Outros ainda compram vários desses equipamentos embalados pelos discursos de vendedores, sem antes buscar mais informações sobre o que estão adquirindo.

Essas inseguranças podem se refletir em resultados medíocres, ou até mesmo sem resultados. Não sei se esse é o seu caso ou de algum colega conhecido, mas se existe algum tipo de identificação, continue lendo… e compartilhe!

É justamente para ajudar a profissionais da Fisioterapia que sofrem com essa insegurança que resolvi escrever este artigo, para mudar essa percepção em relação à Eletroterapia, fazendo vê-la como uma aliada nos procedimentos estéticos e não como um risco que se corre ao usar seus equipamentos.

Vamos perceber que a Eletroterapia é uma verdadeira parceira, com todos os benefícios e possibilidades que oferece!

E até o final deste artigo você verá como proceder para usara Eletroterapia de maneira favorável aos seus procedimentos estéticos.

Quero aqui destacar 4 pontos importantes que farão você perceber a Eletroterapia com outros olhos…:

1.     O que é Eletroterapia?

Consiste no uso de correntes elétricas dentro da terapêutica, para fins salutares e não prejudiciais, por isso, todos os equipamentos são projetados para um funcionamento com segurança e eficiência.

Já se aplica esse conceito da Eletroterapia desde a antiguidade, portanto, se não fosse bom e seguro já teria sido extinto!

Os equipamentos utilizam diferentes tipos de correntes, e, dessa forma, emite uma energia eletromagnética, que é então conduzida através de cabos condutores até os eletrodos que ficam aderidos à pele da paciente, diretamente ou por meio de ponteiras. Uma outra forma de utilização são agulhas ao invés dos eletrodos.

Na Eletroterapia você deve considerar parâmetros como: resistência, intensidade, voltagem, potência e condutividade.
Como ação, a Eletroterapia incide um estímulo nesse tecido, e, consequentemente, uma reação a esse estímulo. E para que esse tecido tenha uma reação esperada, há a necessidade desse organismo estar preparado para reagir de forma positiva ao estímulo dado.

2.    Conhecer para combinar!

Cada equipamento faz, qual o seu mecanismo de ação, quais as suas indicações e contraindicações, e as interações positivas e negativas com outros equipamentos.

Vejo muitos profissionais utilizarem vários equipamentos em uma mesma sessão, por objetivarem resultados rápidos. Porém, não levam em consideração os mecanismos de ação de cada um deles, e da associação dos mesmos.

Meu conselho é que você:

  • Desenvolva uma ficha técnica para cada equipamento que tenha interesse onde conste: tipo de corrente, tensão, frequência, potência, mecanismos de ação, parâmetros de utilização, frequência de utilização, duração do estímulo, condições metabólicas e bioquímicas, recomendações adicionais. Leia todo o manual técnico do equipamento.
  • Pesquise sobre os mecanismos de ação, um a um, e os detalhes em uma outra ficha.Por exemplo, uma ação do aparelho é induzir a um processo inflamatório, estimulando assim o reparo e a produção de colágeno tipo 1. Neste caso, tenha detalhadamente como ocorre a cascata inflamatória, quais os mecanismosdos elementos envolvidos, o que é necessário para o processo de reparação, quanto tempo leva esse reparo e o que deve saber da sua cliente antes de a submeter a esse procedimento.
  • Com base nesses dados, você terá mais propriedade para indicar o melhor equipamento para aquele momento de seu procedimento.

Até mesmo para definir quais cosméticos utilizar que agirão em sinergia com a resposta esperada.

Essa coleta de dados você faz uma vez só e terá um manual valioso em suas mãos!

3.    O menos que é mais…

Quando você conhece mais detalhadamente cada equipamento que possui, sabendo quais são os mecanismos de ação de cada um deles, terá condições de desenvolver sua conduta estética com mais propriedade, utilizando, na grande maioria apenas um equipamento e associações positivas que irá desenvolver para sua cliente.

Nem sempre mais é o melhor. Depende muito das condições de respostas da paciente.

Essa segurança você terá após cumprir a coleta de dados que acabamos de aprender a fazer!

E lembre-se de que um profissional de excelência planeja seu procedimento estético em todos os detalhes; iniciando pela avaliação por meio da Ficha de Anamnese, depois pelo conhecimento de cada procedimento, pelo conhecimento de cada equipamento, pelo conhecimento de cosmetologia, pelo conhecimento de Terapias Combinadas(incluir aqui o link para o post sobre Terapias Combinadas).

Quando eu iniciei na estética tinha um caderno para cada assunto, e nele eu anotava tudo que surgia sobre o tema.

Dessa forma quando precisava analisar uma conduta, buscava nas minhas anotações a base para que a conduta estética fosse a mais assertiva possível.

Com isso, conquistava a confiança da cliente, sua adesão ao procedimento era de 100%, além de contar com sua indicação para as pessoas que conhecia.

Até hoje tenho antigas clientes que entram em contato me questionando quando voltarei a atender. Mas, atualmente, me empenho em transmitir conhecimento, passar minha experiência e auxiliar outros profissionais a adquirirem a excelência.

4.    Terapias combinadas

Muitos equipamentos são utilizados para auxiliarem a permeação de ativos, para promoverem oxigenação local, auxiliando a conduta terapêutica. Como por exemplo: em uma limpeza de pele.

Outros, com ações mais profundas, exigem um procedimento prévio antes que possam ser utilizados.

Por isso, é essencial fazer uso de Terapias Combinadas(incluir aqui o link para o post sobre Terapias Combinadas), que potencializem os efeitos de determinados equipamentos e, ao mesmo tempo, possam controlar qualquer efeito adverso.

No exemplo que citei de um equipamento que promova um processo inflamatório, é bom salientar que todo processo inflamatório leva a formação de Radicais Livres no organismo, aumentando assim o Estresse Oxidativo. E sabemos que Radicais Livres, quando em excesso, aceleram o envelhecimento, o aumento das marcas de expressão, ou de estrias, ou de hipercromias, e assim por diante.

Através da Estética Ortomolecular o profissional desenvolve condutas para amenizar a ação dos radicais livres, aumentar a resposta a agressão, bem como induzir a uma resposta positiva com relação à reparação e ao resultado estético desejado.

Os conceitos da Ortomolecular vêm para complementarem os efeitos da Eletroterapia.

Essa associação eu utilizo desde que conheci a Ortomolecular, em 2000.

Indico que você faça mais pesquisas sobre o tema e se aprimore a cada dia.

Hoje o mercado conta com excelentes profissionais que estão se capacitando cada vez mais. Por esse motivo se torna de suma importância o aprimoramento profissional e a busca por ferramentas que sejam realmente eficazes.

Vamos ao resumo de tudo que conversamos aqui hoje:

A Eletroterapia é uma das ferramentas utilizadas no ramo da beleza, com diversas atuações.

Quando bem empregada, oferece um recurso fantástico dentro dos procedimentos estéticos.

Fiz uma pequena revisão da definição de Eletroterapia que consiste no uso de correntes elétricas dentro da terapêutica, com parâmetros que devem ser considerados.

Depois vimos que é preciso ter conhecimento não só do equipamento que você possui em sua clínica, mas também dos mecanismos de ação desse aparelho. Meu conselho foi que você deve fazer fichas para cada equipamento e para cada mecanismo de ação em detalhes, assim terá uma visão completa e será mais assertiva em seus procedimentos.

Vimos também que nem sempre o uso de vários aparelhos na mesma sessão irá fornecer resultados melhores. No planejamento da conduta terapêutica, leve sempre em consideração todos os recursos que possui e a capacidade de sua cliente em responder a um grupo menor de procedimento que seja efetivo.

Para tanto, desenvolver procedimento com Terapias Combinadas(incluir aqui o link para o post sobre Terapias Combinadas)é a melhor solução! E ainda tem procedimentos que exigem um preparo ‘pré’ para que o mesmo seja realizado com segurança e com menos danos ao organismo. E os procedimentos ‘pós’ irão garantir os resultados por muito mais tempo. Sem esquecer que uma das associações muito importante é a ação pela Estética Ortomolecular.

E agora, depois dessa leitura, espero ter conseguido ajudar você a perceber a Eletroterapia como uma aliada no seu trabalho, abrindo um leque de possibilidades e benefícios para você e sua cliente!

E quanto ao medo… Mande ele embora! Pois o maior risco é o de paralisar diante das grandes oportunidades que a tecnologia nos oferece.

Afinal, o que mais importa é conseguir um resultado satisfatório nos seus procedimentos… É ou não é???

Agora, se esse artigo foi útil para você ou fez lembrar de algum colega profissional da área, compartilhe! Deixe seu comentário.

E se deseja se tonar um profissional capacitado em trabalhar de forma efetiva e assertiva assista nossa apresentação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *